Certamente que isto é uma grande parte da nossa dignidade... que possamos conhecer e que, através de nós, a matéria possa conhecer-se a si própria; que, começando com protões e electrões, saídos do princípio dos tempos e da vastidão do espaço, possamos começar a entender; que, organizados como estão em nós, o hidrogénio, o carbono, o nitrogénio, o oxigénio, esses 16 a 21 em elementos, a água, a luz do Sol- todos eles, tendo-se transformado em nós, possam começar a entender o que são, e como se tornaram nisso. George Wald (Prémio Nobel da Medicina e Fisiologia) (1964)

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

OS SETE PRINCÍPIOS SAUDÁVEIS



Para ter uma saúde plena e um peso ideal deve-se seguir os sete princípios saudáveis.
"É no sistema digestivo, através da boca, que os indivíduos constroem os seus principais males.
E aí para ter uma saúde plena e um peso ideal deve-se seguir os sete princípios saudáveis".
1º Princípio

Mastigue os alimentos e produza saliva
Mastigar significa triturar o alimento sólido até que o mesmo fique desmanchado e líquido.
Somente aí é que se deve engolir o mesmo.
Não importa a quantidade de vezes que tenha que mastigar.
Até os alimentos semi-sólidos se mastigam para que haja suficiente saliva!
Engolir a comida garganta abaixo, avidamente e bruscamente sem mastigar, para rapidamente encher o estômago e matar a fome, sobrecarrega a química digestiva.
Por melhor que seja o alimento, a nutrição será incompleta e dessa maneira são perdidos muitos nutrientes, inclusive aqueles mais essenciais e protectores.
O sistema digestivo humano não consegue lidar com o processo de comer rápido, sem consequências.
O bolo alimentar leva então horas na tentativa de completar a digestão.
Um cão, por exemplo, pode engolir o alimento inteiro, sem mastigar, porque o seu sistema digestivo foi programado para isso. Já o sistema digestivo do ser humano é muito delicado.
Até os pensamentos e as emoções, durante a refeição, influem profundamente na digestão!
A hora da refeição requer ambiente tranquilo e calmo, sem notícias alarmantes que fazem a adrenalina disparar!
Saber comer é, portanto, o primeiro passo...
Os seus efeitos são imediatos sobre o bem-estar.
2º Princípio

Não beber líquidos durante as refeições
O hábito de beber líquidos durante as refeições é um grave vício.
Você está de boca seca porque não mastiga.
Se mastigasse teria toda a saliva necessária para liquefazer a comida e fazê-la descer.
Na realidade, você bebe durante a refeição porque foi condicionado a isso, principalmente pela propaganda.
Todo mundo bebe e, portanto você também segue a multidão.
Você já se perguntou alguma vez por que bebe tanto líquido durante a refeição?
Pois não há nenhum motivo nutricional.
E o líquido ingerido durante a refeição destrói a normalidade do ambiente digestivo no estômago.
Mude pois este hábito (caso o tenha...) e se no início, não conseguir evitar de todo, beba só um gole de água, só para molhar a boca!
Encher o estômago de líquidos (refrigerantes, cerveja, etc.) às refeições, adoçados ou não, contraria pois a ordem natural da química digestiva no estômago e no intestino delgado.
3º Princípio

Beba água regularmente durante o dia.
Acostume-se a sorver água durante o dia, água natural, se possível filtrada, água mineral sem gás e sucos de fruta natural, sem açúcar, na base de uns 6 a 8 copos por dia (no mínimo uns 2 litros) sempre que possível, dependendo da quantidade de frutas que comer.
Procure fazer disso uma lei!
Facilite introduzir esse hábito tendo a água à sua disposição quando sentir vontade de beber e para se lembrar que deve faze-lo constantemente.
Toda pessoa precisa aumentar o fluxo de urina e o processo de eliminação através dos poros.
A pessoa que urinar pouco, obriga os seus rins a manipular as sobras concentradas e a urina será espessa e amarelo-escura.
Nos homens, com o passar dos anos, a próstata incha, com risco de câncer!
A natureza do corpo humano exige, pois a reposição da água que ele gasta para a sua limpeza interna e na hidratação.
A sede já é sinal de alarme do organismo, um aviso de que o nível de sangue arterial está abaixo do mínimo.
Portanto abandone os refrigerantes doces e gaseificados, pelo amor de Deus!
E lembre-se sempre do papel vital da água bebendo-a em intervalos correctos, ou seja, até meia hora antes das refeições e umas duas horas depois das mesmas.
4º Princípio

Use e abuse do valor extraordinário das frutas
Adquira o hábito de comer frutas ou beber sucos naturais, de estômago vazio e, sem acompanhamento...de manhã, no meio da manhã e no fim da tarde!
Varie a fruta.
Como alimento, a grande vantagem delas está na riqueza de nutrientes que elas contêm.
É muito importante a água das frutas frescas, bem como das enzimas contidas nelas.
As frutas são carboidratos complexos especiais, com fibras. Contêm quase todos os nutrientes de que o corpo humano necessita e em menos de 30 minutos o organismo de uma pessoa os assimila, ao contrário das comidas cozidas que precisam de várias horas para serem digeridas.
Além disso, as frutas contêm vitaminas e sais minerais, antioxidantes, e nutrientes fitoquímicos protectores.
Quando alguém se sente enfermo o alimento que se deve ingerir são as frutas, pois na digestão a fruta não consome energia e o doente para recuperar-se necessita usar a sua energia para outros fins...
E não se deve esquecer que nos primórdios a fruta foi o alimento natural do ser humano.
5º Princípio

Reorganize o seu desjejum, ou seja, o "café da manhã"
O que se deve comer de manhã cedo são frutas (quantas quiser...) ou sorver lentamente um suco de fruta feito na hora, com as fibras que ela contém.
De manhã age no organismo o ciclo de eliminação dos resíduos não utilizados dos alimentos ingeridos no dia anterior. Essa eliminação é intensa de madrugada até o meio-dia.
Interromper este ciclo simplesmente corta a remoção das sobras tóxicas.
Isso é prejudicial, porque eliminar sobras significa reduzir excesso de peso.
Como as frutas não digerem no estômago e sim no intestino, elas não interrompem o ciclo e por isso podem ser ingeridas de manhã.
Quando toma o tradicional "café reforçado" (café com leite, pão, ovos, presunto, queijo, omeleta, geleias, etc.) a pessoa irá gastar toda a sua vitalidade matinal na digestão deste desjejum e no lugar de obter mais energia, gastará a que tem, pondo o estômago a trabalhar por 4 horas ou mais.
Os norte-americanos são mestres nesse hábito e carregam o fardo correspondente, ou seja, além de uma certa letargia durante as primeiras horas da manhã, acumulam um excesso de peso.
Não esqueça: carregar o estômago de manhã cedo com alimentação pesada contraria a ordem natural do organismo humano. Se um dia, porém não aguentar (digamos nas suas férias num hotel cinco estrelas) faça o "pequeno pecado" e degluta um vetusto "café da manhã"; mas aí pelo menos faça algum exercício físico, digamos, caminhe um pouco...
6º Princípio

Reorganize os hábitos alimentares do almoço e do jantar Coma sempre um grande prato de verduras que inclusive deve representar de 30% a 40% do volume todo da refeição.
Aliás, se for mais, tanto melhor!
Use e abuse da alface, agrião, couve chinesa, espinafre, brócolos, vagem comum, etc. e coma tomate, cenoura, nabo, rabanete, chuchu, aboborinha, beterraba, cebola, pepino, etc., todos crus.
Tenha sempre cerca de meia dúzia de verduras na mesa.
Dê vazão à sua imaginação. Crie saladas diferentes. As verduras têm um poder mágico. O que caracteriza as verduras e legumes é a extraordinária riqueza de seus nutrientes protectores, fitoquímicas, vitaminas, sais minerais e micro minerais, aminoácidos, antioxidantes protectores contra radicais livres em excesso, fibras, água destilada, tudo de fácil assimilação para o sistema digestivo.
As verduras não engordam.
Ao contrário, nutrem rapidamente e promovem desintoxicação do organismo, eliminando excesso de peso através de suas fibras.
Depois das verduras como os alimentos cozidos, isto é o seu prato quente.
Claro que você já entendeu que precisa organizar a sua refeição fazendo combinações que favoreçam a digestão, pois as proteínas (carnes) e carbohidratos (batata, feijão, lentilhas, arroz integral, etc.) definitivamente não digerem de maneira idêntica.
Dessa maneira não é conveniente misturar proteínas com carbohidratos.
Porém, se o fizer, faça uma refeição básica de carbohidratos com bem pouca proteína animal ou o inverso, favorecendo a digestão do bolo alimentar.
A sociedade moderna nos induz e impõe hábitos que não interessam às pessoas que querem ter uma vida saudável.
Fuja pois desses hábitos que a multidão costuma seguir.
O que seu corpo precisa é de alimentos com muitas fibras.
Use os mesmos critérios para o jantar que aplicou para a refeição, não esquecendo de que ele será de melhor digestão se não estiver acompanhado de proteína animal (carnes, salames, etc.).
Evite jantar muito tarde.
Se eventualmente sentir fome antes de dormir, coma então frutas (mamão, maçã, pêra, etc.) para não criar problemas com seus ciclos orgânicos.
Finalmente, se possível elimine os lanches, mas se isso for impossível que eles sejam bem frugais.
É o beliscar durante o dia todo que faz com que as pessoas engordem de forma exagerada...
7º Princípio
Movimente-se, faça exercícios constantemente e caminhe
Devemos movimentar-nos por três razões básicas:
1-Para queimar calorias provenientes, principalmente, das reservas de gorduras que em excesso se encontram nos tecidos.
2-Para manter a flexibilidade do corpo e desenvolver o seu sistema cardiovascular.
3-Para oxigenar melhor as células, os músculos, os neurónios.
Quem é sedentário tem um coração atrofiado e circulação sanguínea pobre, um coração que precisa trabalhar muito mais para conseguir distribuir o sangue pelo corpo todo.
Para diminuir o stock de gorduras do corpo humano é preciso convertê-las em energia, ou seja, consumi-las, gastando mais do que se ingere, através do movimento do corpo, o que é uma lei natural.
Gorduras e calorias queimam com exercícios aeróbios, na presença de oxigénio, como caminhar com regularidade, correr, remar, andar de bicicleta, etc., sempre dentro do nível de preparo físico individual.
Deve-se fazer o exercício que lhe dá prazer e com os exercícios aeróbicos você constrói o seu condicionamento físico e resistência cardiovascular.
Porém quando você vai para um exercício, prepare-se mentalmente.
Prepare o seu organismo para o esforço físico ligando os seus pensamentos com o seu corpo, com os músculos, as pernas, os pulmões, o coração, etc. e fique imaginando os efeitos positivos da actividade que vai realizar.
Na caminhada, muitos músculos das pernas trabalham, absorvem o oxigénio bombeado pelo coração e queimam calorias.
Mas tarde, com a capacidade cardiovascular mais desenvolvida, você pode inclusive fazer corrida leve, que flui naturalmente, lenta, quando outros músculos passam a trabalhar também e a exigir mais oxigénio.
Isso é muito bom. Muito saudável.
Nos exercícios que visam buscar saúde, nunca se deve malhar o corpo!
Exercícios que malham o corpo deixam o corpo exausto e provocam mais tarde desequilíbrios hormonais e envelhecimento prematuro.
O que é mais eficaz é fazer exercícios várias vezes, com menor intensidade e usando menos da capacidade cardíaca.
Portanto, o conselho que ninguém deve esquecer é: varie e modere quando ficar sem fôlego!
Todo exercício físico gera estragos, micro-traumas no tecido das células musculares visadas, que o corpo trata de reparar durante o descanso, principalmente no decorrer do sono, através das hormonas do crescimento.
Então os músculos são recuperados e se desenvolvem, ficam mais fortes.
Este concerto requer energia que é retirada da gordura estocada e usada como combustível.
À medida que você envelhece, se os seus músculos não forem sendo exigidos, irá perdendo massa muscular, vai ficando fraco e ao mesmo tempo engorda.
Essa gradual degeneração pode se iniciar cedo.
Mais ou menos dos 30 aos 60 anos a quantidade de gordura do homem costuma dobrar!
Na mulher costuma aumentar até 50% em geral.
Isso, do ponto de vista de estética e de uma velhice saudável é lamentável e dramático.
Os exercícios aeróbios, como caminhar, têm um efeito extraordinário sobre todo o organismo, mas é difícil conseguir só com eles, eliminar toda a gordura que tivermos a mais principalmente a da barriga e dos quadris.
Aí os anaeróbios, como os de levantar peso, são imbatíveis, muito eficientes, completando a tarefa.
Valem tanto para os homens, como para as mulheres.
Para pessoas de mais de 50 anos principalmente, os exercícios têm um efeito profundo para sua saúde e o bem-estar podendo ser praticados sem a necessidade de uma aptidão física especial, bastando ter alguns cuidados, a assistência de um médico e muita disposição e persistência por parte de cada um.
Bem, meu (minha) estimado (a) leitor (a) aceite terminar com alguns dos seus maus hábitos, para ter a partir de 2003, uma vida mais saudável.
Siga o conselho do especialista em qualidade de vida Arno Gëhrke: "Os conhecimentos mudam e com isso caem por terra paradigmas aos quais você e a humanidade sempre estiveram aferrados e continuam, sem contestar.
Só com ideias novas como as dos meus sete princípios da saúde, é que se resolvem problemas importantes.
Dizemos que impossível é aquilo que ninguém conseguiu fazer até então.
No entanto, a todo momento, sabemos de alguém que fez aquilo que antes era impossível, não é assim?
Para tudo temos de ter desejo, o ideal de consegui-lo.
Se não desejamos mais nada, certamente teremos entregado os pontos e definharemos...
Você agora tem os conhecimentos para ter uma vida mais saudável. Não duvide da sua capacidade.
Entre em acção e mostre que o impossível é possível!"
Matéria publicada na edição nº 2 da Revista do Factoring.
  revista@revistadofactoring.com.br.
 

Esgotos de Madrid no Tejo

A Espanha está a canalizar os esgotos de Madrid para o rio Tejo e a desviar a água limpa das nascentes do rio para as regiões turísticas. O facto dos esgotos de Madrid chegarem a Portugal via rio Tejo já levou o Movimento Protejo a preparar uma queixa para apresentar à Comissão Europeia
Paulo Constantino, porta-voz do movimento que integra organizações ambientalistas nacionais e entidades internacionais, defende que a opção de desviar a água do Tejo 'é uma violação clara da directiva Quadro da Água que os 27 países estão obrigados a cumprir até 2015 e ameaça também a qualidade do rio Tejo do lado português’.
Por sua vez, Carla Graça, da Quercus, refere que a qualidade da água do Tejo que chega à fronteira 'é com frequência de má qualidade em resultado dos esgotos e da agricultura'. 'O rio surge várias vezes com uma cor verde devido à proliferação de algas, uma característica da excessiva carga orgânica', acrescentou. Perante o agravar da qualidade da água em resultado da seca, o presidente de Castela-La Mancha, o socialista José María Barreda, pediu um encontro com o primeiro- -ministro português, José Sócrates, para discutirem um caudal para o rio Tejo que satisfaça as necessidades de ambos os países.
ÁGUA EM FALTA VALE 21 MILHÕES DE EUROS
Espanha violou pela primeira vez a Convenção de Albufeira ao enviar menos 236 hectómetros cúbicos de água no caudal do Tejo, sem que haja uma redução de chuva que o justifique. Embora o acordo ibérico sobre a gestão dos rios internacionais da Península não preveja indemnizações pelo incumprimento, a água possui um valor comercial. Em termos comparativos, em Fevereiro do ano passado, Portugal acordou vender a Espanha 30 hectómetros cúbicos de água da barragem de Alqueva por um valor inicial de 9 cêntimos o metro cúbico. Feitas as contas o caudal em falta do rio Tejo representa 21,2 milhões de euros. Em termos comparativos, a EPAL forneceu, no último ano, 211 hectómetros cúbicos de água a 2,8 milhões de utilizadores da área de Lisboa.
ESPANHA QUER ÁGUA DE PORTUGAL
Em simultâneo com a criação de novos desvios de água do rio Tejo para o Sul e Levante espanhol, e melhor tratamento dos esgotos de Madrid, o secretário de Estado da Água espanhol, Josep Puxeu, defende uma relação mais estreita com Portugal para a canalização de água do nosso País para Espanha. Josep Puxeu entende que o Alqueva está a 'transbordar' e classifica como uma 'grande contradição no facto de se encontrarem em situação tão precária as reservas de albufeiras da vertente mediterrânica da Península Ibérica, enquanto estão muito bem as reservas do Norte e da metade Ocidental'. Espanha vive uma situação de grave carência de água no Sul do país, e mesmo com as mais recentes chuvas não consegue cumprir o convénio de Albufeira. Diferente é a situação da albufeira do Alqueva, que conta com 80% da capacidade e, sozinha, tem o equivalente a 15% da água de todas as barragens espanholas.
BARRAGENS VAZIAS A capacidade das barragens espanholas apresentam valores mínimos. No rio Douro, a capacidade de armazenamento está nos 49%, no Tejo está em 35% e no Guadiana em 38%.
RESERVAS EM PORTUGAL Em Portugal as bacias hidrográficas não revelam uma grave falta de água: Douro está com 60%, Tejo 61% e Guadiana 75%.
CÁCERES SEM ÁGUA Bem próximo de Portugal, na província espanhola de Cáceres, já há populações com falta de água.
DISCURSO DIRECTO' Preocupação ambiental obriga a repor água': Orlando Borges Presidente do INAG
Correio da Manhã – A violação da Convenção de Albufeira por parte de Espanha em 236 hectómetros cúbicos de água no rio Tejo obriga ao pagamento de alguma indemnização?
Orlando Borges – Não há lugar a indemnizações nem a qualquer tipo de compensações económicas. Há sim uma preocupação ambiental que obriga a repor a água.
– E como será feita a reposição? A 15 de Dezembro iremos ter uma nova reunião em Madrid, onde serão definidas as datas e os volumes em que essa água será reposta. Operação que será realizada, possivelmente, a partir de Janeiro ou Fevereiro.
– Em 2005 houve incumprimento por parte de Espanha na bacia do Douro, porque não houve então uma violação da Convenção?
– Aquando da maior seca do século os baixos níveis de precipitação justificaram esse incumprimento, situação que agora não se verificou no rio Tejo, apesar de ter chovido muito pouco.
– Espanha defende que Portugal também não cumpriu, este ano, o caudal no estuário do Tejo.
– Não cumprimos porque (a exemplo do que aconteceu em 2005 no Douro espanhol) os níveis de precipitação foram muito fracos.
– O movimento Protejo alega que a má qualidade da água no Tejo resulta do despejo de esgotos por tratar em Madrid, num seu afluente. O que pode Portugal fazer para o evitar?
– Observar se estão a ser cumpridas as directivas comunitárias. Posso dizer que há essa preocupação em Espanha, pelo que a qualidade da água tem vindo lentamente a melhorar.
– O Centro e Sul de Espanha atravessam sérias dificuldades mesmo no abastecimento às populações. Qual é, neste momento, a realidade em Portugal?
– Embora tenha chovido menos do que o habitual, não se coloca esse problema.


João Saramago (Público)

Mitos À La Carte



Verdades e mentiras sobre os alimentos
De onde vêm as regras alimentares? Do que sabemos verdadeiramente sobre nutrição? Por que será que os cientistas divulgam dados tão contraditórios? As gorduras saturadas são nocivas? Há alimentos que causam doenças? Nem estas nem outras interrogações obtiveram, até agora, uma resposta inteiramente satisfatória. O problema já é antigo. No inicio da década de 1980, o biofísico Harold Morowitz classificou a nutrição como uma “quase-religião”, e descobriu que todos os estudos efectuados eram “sobre os efeitos num grupo reduzido de pessoas, por volta de 15, ou em animais com dietas monitorizadas durante períodos que variavam entre alguns dias e poucos meses”. Ou seja, não havia uma investigação a longo prazo, com grupos numerosos, e essa ausência dava origem a crenças generalizadas que nunca tinham sido verdadeiramente postas à prova. Por exemplo, qual destes produtos acha que eleva mais o nível de açúcar no sangue: um gelado, uma batata ou uma fatia de pão? Claro que quase todos escolheriam o gelado. Todavia, um artigo da revista Science já demonstrava, há mais de vinte anos, que a batata e o pão eram mais glicémicos. No entanto, embora a ciência da alimentação tenha agido com inépcia mais do que uma vez, sabemos bastante sobre os nutrientes que devem integrar um regime alimentar equilibrado…
Diversas experiências com pessoas obesas demonstraram que podem viver mês e meio à base de água, vitaminas e minerais, pois extraem as calorias da gordura acumulada, com a consequente perda de peso. Todavia, trata-se de uma situação insustentável a longo prazo, pois o corpo necessita que lhe forneçam outras substâncias.
Os suplementos alimentares estão cheios de pseudociência, como demonstrou Dan Hurley, jornalista do The New York Times especializado em temas de saúde, após analisar os dados recolhidos ao longo de 23 anos pelos Centros de Controlo de Venenos dos Estados Unidos, junto dos quais mais de 1,6milhões de pessoas tinham denunciado, desde 1983, reacções adversas a vitaminas, produtos de ervanária e outros complementos nutricionais. É preocupante que os media tenham dado tanto crédito a esse tipo de produtos.
Os produtos que exibem o rótulo “agricultura biológica” ou “orgânica” chamam-nos a atenção no supermercado porque pensamos que são mais saudáveis, dado que “não contêm porcarias”. Porém se quisermos ser verdadeiramente meticulosos, nem o tomate da horta da Avó passaria nos controlos de segurança alimentar que os governos impõem às substâncias sintéticas adicionadas aos alimentos.
Richard Hal, jornalista especializado nestas questões, analisou, num artigo publicado na Revista Nutrition Today, os ingredientes utilizados para elaborar a ementa de um restaurante de luxo, de acordo com os critérios de segurança em vigor nos Estados Unidos. O resultado foi demolidor: apenas se salvaram os palmitos. Cenouras, cebolas, azeitonas, melões, lagostins, batatas, manteiga, salsa, pão, brócolos, queijo, bananas, maçãs, laranjas, café, chá, leite, vinho, cerveja…Nem a água mineral teria passado numa operação de fiscalização, se as mesmas regras fossem aplicadas aos alimentos que chamamos “naturais”.
A solução para uma alimentação correcta reside na totalidade do que ingerimos, e não em empanturrar-se de produtos com Ómega-3, óleos vegetais ou suplementos vitamínicos. O nosso organismo está habituado a lidar com frutos, verduras, peixe e carnes vermelhas, na devida proporção. Parece que a mais equilibrada é a dieta mediterrânica, pelo que não devíamos trocá-la por outra, baseada em produtos manufacturados, ao estilo norte-americano. É melhor seguir o conselho de Michael Pollan: “NÃO COMPRE NENHUM ALIMENTO QUE A SUA AVÓ NÃO CONSIGA RECONHECER”.
Para ler na íntegra este artigo: Super Interessante 142 (Edição Portuguesa)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...